Publicações associadas*

* Em parceria com outros grupos de pesquisa.

Rozestraten, Artur; Beccari, Marcos; Almeida, Rogério de. Imaginários Intempestivos: Arquitetura, Design, Arte & Educação. São Paulo: Editora FEUSP, 2019.

16 grupos de pesquisa envolvidos (ver p. 10-11).

Diponível p/ download em: Portal de Livros Abertos da Universidade de São Paulo.

Willms, Elni Elisa; Almeida, Rogério de; Beccari, Marcos. Diálogos entre arte, cultura e educação. São Paulo: Editora FEUSP, 2019.

28 grupos de pesquisa envolvidos (ver p. 11-12).

Diponível p/ download em: Portal de Livros Abertos da Universidade de São Paulo.

Pesquisas em andamento

Estudos Discursivos em Design (2019-2021)
A pesquisa tem por objetivo orgarnizar fundamentos teóricos para o estudo dos sistemas político-discursivas engendrados pelo design e que, ao mesmo tempo, o circunscrevem. Com base no ferramental conceitual de Michel Foucault, toma-se o design por atividade político-discursiva que veicula e materializa valores atrelados a regimes de verdade em vigência. Em termos metodológicos, privilegia-se a investigação crítico-filosófica da esfera discursiva do design a partir de revisão de fontes teóricas e historiográficas. Por objetos e recortes, compreende-se as relações possíveis entre design e complexos de consumo (Richard Sennett), sexualidade prostética (Donna Haraway; Paul B. Preciado), governamentalidade neoliberal (Pierre Dardot; Christian Laval), políticas de visualidade (Hal Foster; Nicholas Mirzoeff), tecnologias de subjetividades (Gayle Rubin; Daniele Lorenzini).

Coord.: Marcos Beccari . Integrantes: 3 . ver projeto [versão desatualizada]

Política das imagens (2019-2021)
Investiga a produção e circulação das imagens na esfera pública com base nas perspectivas de Walter Benjamin, George Didi-Huberman e outros pensadores que estudam a dimensão política das imagens (ex. Chantal Mouffe, Rosalyn Deustche, Nancy Fraser). A esfera pública é, desde o iluminismo, o espaço da circulação de informações e imagens e da produção de visibilidades e invisibilidades. Imersos em um mundo de imagens carregadas de conceitos e derivadas de condições produtivas bastante específicas, somos muitas vezes condicionados a não ver absolutamente nada ou a ver somente os clichês visuais que suscitam, por associação, clichês linguísticos no espectador. Pensar uma política das imagens é operar uma crítica de nossos próprios clichês através da compreensão dos campos de força e relações que produzem subjetividades e signos dos sistemas culturais. As imagens existem nestes campos de força e relações, e, ao mesmo tempo, os constitui.

Coord.: Felipe Prando . Integrantes: 3

Cultura popular e museus (2019-2022)
Esta pesquisa visa compreender como os museus elaboram narrativas sobre as culturas populares por meio de suas exposições. A partir da perspectiva teórica da cultura material, busca-se analisar como a organização de artefatos e suas materialidades, produzidas por sujeitos e coletivos subalternos, sustentam ou refratam os discursos idealizadas por curadores(as) e profissionais vinculados aos museus. A investigação é desenvolvida por meio da tese de doutoramento de Yasmin Fabris, intitulada “A Mão do Povo Brasileiro: cultura material popular e os projetos modernizadores do Brasil -1969 e 2016”. Esse trabalho se dedica à análise da mostra A Mão do Povo Brasileiro, apresentada duas vezes no Museu de Arte de São Paulo: a primeira em 1969 e a segunda, 47 anos mais tarde, em 2016. As encenações, na pesquisa, são dispositivos que possibilitam o entendimento dos projetos modernizadores de Estado-Nação empreendidos no Brasil nos dois momentos sócio-históricos.

Coord.: Yasmin Fabris . Integrantes: 1